domingo, 26 de dezembro de 2010

3ª São Silvestre de Lisboa | Crónica

Última prova do ano.

Até há bem pouco tempo estava com grandes expectativas em relação a esta prova. Pensava que o Nacional de Pista Coberta só se realizaria em Janeiro, e por isso a São Silvestre seria a última oportunidade de obter uma marca acima dos 400 pontos (objetivo do ano). O facto do Nacional ter sido antecipado e me ter corrido bem, acabou por me tirar essa pressão.

A semana foi atípica em termos de treino, pouca disponibilidade...jantar da empresa, jantar de aniversário da cunhada...mas acima de tudo pouca vontade...lá consegui fazer dois treinos de uma hora...

As sensações antes da prova eram contraditótias. Fisicamente não me sentia a 100%, pernas pesadas e uma dor incomodativa no tornozelo esquerdo. Já o estado de espírito estava em cima, em resultado de uma maratona de leitura. Ofereceram-me o «Nascidos para Correr», comecei a lê-lo ontem de manhã e não descansei enquanto não o acabei hoje às 16h. É muito, mas muito bom. Superou as minhas expetativas.

Quanto à prova, a principal razão de queixa foi a partida. A ideia de ter os atletas agrupados na partida por tempos é boa...excepto quando essa arrumação é feita pelos próprios...assim, lá se cumpriram os primeiros 300 metros em passo lento a levar empurrões, e depois zigue-zagues até conseguir estabilizar o ritmo de corrida, lá por volta do 1º km.

O objetivo delineado era baixar os 39 minutos. Quando passei aos 2 km juntei-me ao «marcador de ritmo» dos sub-40 e deixei-me ir. Decidi que só iria tentar forçar na 2ª parte da corrida, e assim fiz, por volta do 6º km, no início da subida da Av. da Liberdade, ultrapassei-o e fui-me embora. Forcei na subida, com esperança de fazer a recuperação rápida na descida e depois embalar para meta. Foi aqui que a coisa não correu como previsto, pois fiz a descida quase toda a recuperar do esforço da subida. À passagem da placa do 9º km o meu garmin registava 35:25. Ainda pensei que era possível baixar os 39 minutos, mas não, de acordo com a minha cronometragem fiz precisamente 39:00. A organização credita-me com o tempo oficial de 39:15 (176º da geral, 92º do escalão). Logo ficarei a saber, caso divulguem o tempo de chip, se eu e o meu mano baixámos os 39 minutos.

***

4 comentários:

joaquim adelino disse...

Parabéns Nuno, naquelas condições de partida é complicado fazer melhor, pelos menos para aqueles que respeitam os sinais da Organização.
Cruzei-me contigo e com o Mano(ele vinha um pouco mais atrás)ia eu a iniciar a Av.da liberdade e vinham vocês já a terminá-la.
Mesmo assim foi um excelente tempo.
E como o Ano está a terminar desejo continuação de boas festas e um novo Ano de acordo com as ambições. Também para a família, e em especial o teu pai, envio um grande abraço de felicidades e de um Ano feliz.
Abraço.

MPaiva disse...

Nuno,

Fizeste um excelente tempo, tendo em conta as difíceis condições de partida numa prova com tanta gente.

Desejo-te um Bom ano 2011, com muita saúde, sem lesões e sempre a melhorar as performances.

abraço
MPaiva

luis mota disse...

Olá Nuno!
Quanto a tempo, com as tuas características e determinação, teremos o Nuno em 2011 baixar facilmente os 39 minutos.
Aproveito para te felicitar pela brilhante época desportiva e desejar-te um bom ano de 2011.
Luís Mota

José Xavier disse...

Olá Nuno;

Parabéns, tá quase a barreira dos 39 a ser ultrapassada!!

Finalmente começam a agrupar os atletas por tempos!, agora também terão de colocar pessoas a controlar "os furões xicos espertos". Porque é necessário fazer isso em benefício de todos os participantes.

Um abraço amigo
dos Xavier's