quarta-feira, 25 de abril de 2012

Olímpico Absoluto Municipal - 2ª jornada

A jornada de hoje era composta por cinco provas: 200 metros, 800 metros, triplo-salto, 110 metros barreiras e lançamento do dardo.

A minha participação começou com uns 200 metros a "frio". Já cheguei muito em cima do início da prova e fiz um aquecimento deficiente. Numa série com três míudos a correrem certamente para menos de 28 segundos, acabei por fazer a prova "sozinho", com o resultado final (30,2'') a ressentir-se disso.

Os 200 metros foram fraquinhos mas serviram de aperitivo para os 800 metros que vinham a seguir. Saí rápido demais e a partir dos 500 metros comecei a quebrar mas mesmo assim o resultado final (2.25,5) surprendeu-me. Trata-se de um novo recorde pessoal na pista do Paúl. Ainda à três meses era uma marca muito próxima do que estava a fazer em tartan...

Seguiu-se o triplo salto. Iniciei o meu concurso sem ter feito qualquer salto de preparação prévio. Resultado, fiz as duas chamadas com a perna esquerda quando era suposto fazer com a perna direita...saber marcar a corrida de balanço dava jeito...fiz 7,94m no primeiro salto  e no segundo melhorei para 8,06m. Fiquei um pouco decepcionado com o resultado, esperava conseguir fazer melhor em três saltos que o Marco Chuva em um! :-)

A prova seguinte, os 110 metros barreiras, era a mais temida mas a minha participação era obrigatória para poder obter classificação no Olímpico Absoluto. Fiz uns testes e consegui transpor com sucesso barreiras a 84 cm e a 91 cm. Sucede que os veteranos 1 saltam barreiras à altura dos séniores, ou seja 1,06m. E isso para mim já é uma altura para eu transpor com uma fasquia e um colchão :-) No teste que fiz a essa altura derrubei a barreira mas fiquei de pé. Já na prova não tive tanta sorte, saí dos blocos e ao tentar transpor a primeira barreira não tive sequer impulsão para passar a perna com que ataquei...e pimba, um trambolhão valente. Na altura não me doeu, fiquei apenas com o "orgulho" ferido.

Ainda fui fazer dois lançamentos do dardo. Uma vez mais o dardo até foi arremessado para uma distância que eu considero simpática, mas das duas vezes o engenho não quis "colaborar" e não tocou no solo regularmente.

Chegado a casa, e já depois do banho tomado, verifico que fiquei afetado da queda das barreiras. Para além de umas escoriações nos joelhos, estou com uma dor valente no peito do lado direito que não sei se não vai ser impeditiva nos próximos dias de correr.

Como diz a Paula: «Já não tens 20 anos!»

***

[update 25/abr]

A brincadeira acabou por me sair cara. Hoje de manhã acordei cheio de dores. Pelo sim pelo não fui ao hospital ver se não tinha nada partido. O raio-x não acusou nenhuma fratura mas de acordo com a opinião do médico as dores na grelha costal vão andar cá pelo menos uma semanita...Neste momento tossir é das atividades que mais dores me provoca...

***

1 comentário:

Jose Xavier disse...

Olá Nuno;

Nunca pesamos nisso e a cabeça funciona sempre de maneira diferente.... e depois....olha a Paula tem razão!!

mas nas corridas estás em forma, e com velocidade.

Boa recuperação das mazelas.

Um abraço
Xavier