domingo, 4 de outubro de 2009

10ª Meia Maratona de Portugal | Crónica


É com o duplo sentimento de desilusão mas de dever cumprido que relato a minha participação na Meia Maratona de Portugal.

Desilusão pelo resultado obtido (cronometrei 1:39:38) mas principalmente porque a prova para mim apenas durou até aos 13 km...

Dever cumprido, porque ainda assim cumpri com um princípio que assumi desde o início deste regresso às "lides", prova em que a Paula e o Afonso estejam presentes, chega-se sempre ao fim, só se não for humanamente possível...

Mas vamos ao desenrolar da prova:

O antes da partida
Esta coisa de associar uma corrida à passagem por um "monumento" ou infra-estrutura de referência faz algum sentido, mas no caso da Ponte Vasco da Gama sinceramente não me pareceu assim tão significativo...acho inclusive que não faz sentido sujeitar os atletas a tanto tempo de espera no tabuleiro da ponte...mais que não seja pelas filas intermináveis dos WC...

O clima
De manhã quando sai de casa estava um nevoeiro cerrado que se manteve até chegar ao Parque das Nações. O facto de estar encoberto era enganador, às 8h30 já estavam 18,5º e a humidade fazia-se sentir bastante. O céu abriu à hora da partida e não me enganarei muito se por volta dos 12/13 km não estariam uns 25º/26º...

É ponto assente, não volto a fazer (leia-se competir) uma meia maratona nestas condições, não vale a pena...

Erro de principiante
Não foi determinante para o resultado obtido, mas que não ajudou, não ajudou...ao fim de 5/6 kms fiquei com bolhas nos pés que me incomodaram bastante e que acabaram em sangue...corri com uns ténis novos, mas o problema não residiu aí, o que falhou foi a escolha das meias...

A prova
Partida cautelosa para reprimir entusiasmos iniciais (o 1º km foi feito em 4:34). Passagem aos 5km em 22:03 (ritmo 4:25 em linha para o tempo pretendido - 1h33). No primeiro posto de abastecimento o primeiro revés, não consegui abrir a porcaria da garrafa de água...

Depois apareceram as bolhas, azar, havia que sofrer, passagem aos 10 km em 43:44 (média 4:22/km ligeiramente abaixo do objectivo). O virar em direcção ao Parque das Nações teve, inclusive, um efeito motivador. Deu para ver que o Pedro Carvalho ia à minha frente, mas a distância parecia recuperável e poderia ser uma boa ajuda para parte final. Encontrámo-nos à partida, e ele confirmou que ia tentar baixar a 1h30, não conseguiu, mas ainda assim fez um bom tempo, 1h33, aquele que eu gostaria de ter feito.

Inexplicavelmente entre os 12 e os 13 km o primeiro sinal de fadiga, abrandei e fiz 2 km acima de 5:00 com esperança que depois recuperasse (passagem aos 15 km em 1:07:42, já fora do ritmo para 1h33, ainda assim suficiente para baixar a 1h37), nada mais errado, a quebra acentuou-se e levou-me a parar...a tentação de desistir foi grande...retomei a corrida e aguentei-me/arrastei-me até nova paragem de 2:30 durante o km 19. Nos dois últimos quilometros tentei (e fui bem sucedido) pelo menos não ultrapassar a barreira da 1h40, como se fizesse diferença...

Veredicto
Não há como fugir...falhanço. Na minha opinião, não só falhei no dia da prova, mas mais importante, na preparação da prova. De acordo com a minha interpretação dos registos dos meus treinos terei atingido o topo da forma em Agosto (aquele treino longo de 20 km em 1:31:02 é um bom exemplo) e não fui capaz de mantê-la.

Fico com a nítida sensação de que apesar de ter feito bons treinos de intensidade (meias horas rápidas a 4:10 e menos, 5x1000m para 3:28) e de ter feito alguns treinos longos, o que faltou (o que falta) é quilómetros, as "basezinhas" do endurance...é o que dá ter estado 15 anos a alargar...

O dia seguinte
Amanhã é um novo dia. Prioridade recuperar, cuidar das bolhas. E querem lá ver que o meu irmão me leu a mente...está em congeminação uma ida ao Porto para prestar vassalagem ao GRANDE HAILE!!!

***

5 comentários:

Anónimo disse...

Olá Nuno

Parabéns ... teres conseguido terminar a prova, nessas condições, já uma pequena vitória!!!

Há dias assim,... outros melhores virão!!!


Um abraço
braz

Anónimo disse...

digo:

nessas condições, já é uma pequena vitória!!!

rustman disse...

Meu... deixa de ser marico depressivo, deste um granda berro! O que é normal, mais é a história da minha vida desportiva! Há um certo heroismo no rebentar... e sofrer até ao fim. Somos nós que damos a gloria aos que vão na frente!

O caneco do Sang fez o raio da prova em 61´ com um sorriso na cara, tu pelo que contas mostraste como é que deve ser: DURO até ao fim!

No Porto quando nos cruzarmos com o Haile, viramos e fazemos os 100m da nossa vida! :-)

MPaiva disse...

O resultado não foi o desejado, mas a prova ficou feita e alguns ensinamentos foram assimilados.
Nas corridas, como em tudo na vida, sabemos que depois da noite vem sempre o dia!
abraço e até ao Porto.

MPaiva

Mark Velhote disse...

Viva,

Parabéns pela prova guerreira e pelo relato !
Na Meia da Sport Zone há outra oportunidade à espera!

Cumps